quarta-feira, 6 de junho de 2012

1º SEMINÁRIO SOBRE EDUCAÇÃO INFANTIL

Convite à construção e à unidade:
http://2.bp.blogspot.com/-_mhLF7tnpD4/T1oSLYm97xI/AAAAAAAAAXc/_RBSejHNw_M/s1600/mulheres_em_luta_corel_novo_logo.jpg
O Anuário das Mulheres Brasileiras (2011) comprovou o que muitas trabalhadoras sentem diariamente: a falta de vagas nas creches é a necessidade mais sentida pela mulher brasileira. Em todo o País, 80% das crianças de 0 a 6 anos não frequentam nenhuma escola infantil. Isso significa que as mães trabalhadoras, da cidade e do campo, estão abandonadas em sua busca por emprego e renda, pois o Estado e as empresas não lhes garantem condições mínimas para que possam trabalhar e sustentar suas famílias. Além disso, a falta de escolas infantis públicas fere um direito da criança, garantido na Constituição de 88 e na Lei de Diretrizes e Bases da Educação (96).
A luta pela Educação Infantil no Brasil teve seu ponto forte na década de 80, quando mulheres, sindicalistas e profissionais da Educação conquistaram relativa ampliação na rede de atendimento e, fundamentalmente, inseriram as creches no âmbito das políticas para Educação. Ou seja, garantir escolas infantis passou a ser responsabilidade do Estado e não de organizações assistenciais e religiosas. Porém, durante mais de 20 anos, os cortes de verbas e o desmonte da Educação pública afetaram essas conquistas: hoje, boa parte das escolas infantis públicas não consegue atender toda a demanda, muitas estão precarizadas, com profissionais desvalorizadas, e em muitas cidades elas sequer existem de verdade. Em geral, predomina o sistema de creches conveniadas. No campo, o atendimento é ainda mais escasso e estima-se que milhares de escolas infantis foram fechadas, nas áreas rurais, nos últimos anos.
O momento é importante para essa luta. Por um lado, o poder público reconhece a importância da pauta e tem seus projetos para a Educação Infantil. Ao ser eleita, Dilma prometeu a construção de 6 mil novas creches até o fim de seu mandato, mas até o momento não inaugurou nenhuma - inclusive cortou mais de R$ 100 bi das áreas sociais. Por outro lado, as educadoras infantis estão se mobilizando em diversas cidades por reconhecimento e melhores salários – como em BH, onde realizaram uma greve histórica de 45 dias este ano. Nos bairros, comitês e associações também reivindicam mais vagas e atendimento de qualidade.
Nesse debate, é muito importante que as mulheres trabalhadoras, da cidade e do campo, ativistas, sindicalizadas, desempregadas, donas de casa, estudantes, se organizem para dizer que Educação Infantil queremos e exigir dos governos um direito que é das crianças, mas também das mulheres.
Justamente para unir forças, conhecimentos e experiências, convocamos todas as organizações sindicais, movimentos sociais e sociedade civil, da capital e do interior de Minas, para a construção de um 1º Seminário sobre Educação Infantil.
Convidamos todas para a primeira reunião de organização do Seminário e definição de seus objetivos de forma conjunta:
14 de junho, quinta-feira, às 18h
Local: Sind-Rede/BH (Av. Amazonas, 491 – 10 andar)

 Saudações de luta!

Movimento Mulheres em Luta/CSP-Conlutas - Minas Gerais

Contato: 8772-1637 (Lívia) e Mônica (8765-9460)
"Nada causa mais horror à ordem do que mulheres que lutam e sonham" (José Martí)

0 comentários:

Postar um comentário